Acesso Restrito

Semáforos e carros inteligentes, reconhecimento facial e atendentes robôs. Pode até parecer coisa do futuro, mas tudo isso já é utilizado nos dias de hoje no Brasil e no mundo.

Por isso, especialistas apontam que os indivíduos do futuro não devem ser meros consumidores de tecnologia. Também é preciso entender como os sistemas funcionam e como utilizá-los da melhor forma na vida pessoal e profissional.

Isso significa que as crianças e adolescentes de hoje precisam ser preparados para acompanhar esse desenvolvimento tecnológico. Dessa forma, podem ter mais oportunidades no futuro.

O pensamento computacional é uma das competências que podem ajudar nesse processo. Por isso, a seguir, explicamos o que é o pensamento computacional, quais os pilares desse conhecimento e como ele já é praticado com alunos no Brasil e no mundo. Acompanhe!

O que é pensamento computacional?

O pensamento computacional, de acordo com o pesquisador Christian Brackmann, “é uma distinta capacidade criativa, crítica e estratégica de usar os fundamentos da computação nas mais diversas áreas de conhecimento com a finalidade de resolver problemas de uma maneira individual ou colaborativa”.

Essa competência, além de poder ser aplicada em diversas áreas profissionais, também ajuda crianças e adolescentes a compreenderem um mundo cada vez mais permeado pela tecnologia. Dessa forma, se tornam mais preparados para viver e trabalhar em uma sociedade repleta de sistemas como os que apresentamos no início deste texto.

A alfabetização digital, que representa a capacidade de compreender como a tecnologia funciona e como ela pode ser utilizada, já é considerada por especialistas como a habilidade do século 21. O pensamento computacional é uma das formas de tornar essa alfabetização possível.

Os especialistas afirmam que todos os indivíduos do futuro devem possuir pensamento computacional, independentemente da atividade profissional que vá exercer futuramente. Primeiramente, porque a grande maioria das profissões hoje em dia e que ainda vão surgir precisam lidar com máquinas.

Em segundo lugar, porque essa competência se relaciona principalmente com a capacidade de resolver problemas por meio do raciocínio lógico, o que é bem vindo tanto na vida profissional quanto na pessoal de todas as pessoas.

O pensamento computacional também proporciona desenvolvimento cognitivo necessário para aperfeiçoar o aprendizado e a tomada de decisões. Outras competências, como a capacidade de trabalhar em equipe e a empatia, também podem ser desenvolvidas por meio do ensino do pensamento computacional.

Quais são os pilares do pensamento computacional?

Para tornar mais eficiente a solução de problemas, o pensamento computacional está baseado em quatro pilares. O primeiro é chamado de decomposição. Trata-se da necessidade de dividir um problema complexo em partes menores e mais simples de resolver.

Depois, temos o reconhecimento de padrões, que foca na identificação de similaridades nos processos para solucionar os problemas mais rapidamente. Isso significa que uma solução que já foi utilizada anteriormente pode ser usada novamente em um problema similar.

O terceiro pilar é a abstração. Ele indica a necessidade de analisar e separar os elementos relevantes daqueles que podem ser ignorados, com o objetivo de que o foco seja direcionado apenas ao necessário.

Já o quarto pilar, chamado de algoritmos, se relaciona com todos os anteriores. Trata-se do processo de criação de regras para resolver o problema.

Como funciona o pensamento computacional na prática?

Como você já viu, o pensamento computacional envolve a decomposição do problema, o reconhecimento de padrões, a abstração e os algoritmos, ou seja, a forma de fazer. Essas habilidades podem ser trabalhadas de diversas formas, tanto em computadores como sem utilizar tecnologia digital.

De maneira lúdica, crianças pequenas podem desenvolver o pensamento computacional por meio de atividades com papel, por exemplo. Ou, ainda, podem fornecer comandos umas para as outros, como se fossem robôs, para alcançar um objetivo. Assim, compreendem a lógica de funcionamento dos algoritmos.

Crianças maiores podem utilizar softwares no computador que permitem aprender os primeiros conceitos de programação. Outra possibilidade é a manipulação e construção de objetos concretos para colocar os algoritmos em prática.

Como o pensamento computacional é ensinado no Brasil e no mundo?

Diversos países ao redor do mundo já praticam o ensino de pensamento computacional para crianças e adolescentes. É o caso de nações como Japão, Finlândia, Inglaterra, Estados Unidos e Espanha, entre outras.

No Brasil, o pensamento computacional foi incluso na educação por meio da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada em 2018. O programa indica que os conteúdos relacionados a esta competência devem estar presentes em todas as escolas do país.

Entretanto, por ainda ser algo em estágio inicial, muitas instituições de ensino brasileiras ainda não começaram a adotar o ensino de pensamento computacional nos diferentes níveis de educação.

O pensamento computacional envolve a capacidade de usar os fundamentos da computação para resolver problemas em diversas áreas. Esta competência, que se baseia em quatro pilares, é muito importante para que as crianças e adolescentes de hoje tenham mais oportunidades no futuro.

Quer saber como o pensamento computacional pode ser ensinado na prática? Venha conhecer o Villa Code & Maker Lab!