Menu
Ouça o Jingle
Ouça o Jingle

Segmentos de Ensino

O Campus Villa é uma escola nacional com perspectiva internacional, que visa à formação integral dos seus alunos e que tem no seu Programa Bilíngue uma excelente oportunidade para assegurar a sua missão.

No programa, o idioma é usado como meio de instrução para as áreas curriculares, como Matemática, Ciências e Artes, ou seja, o idioma não é usado só como matéria. O conhecimento da própria língua se amplia, aumentando as formas de construção de discursos e, consequentemente, desenvolvendo a oralidade, a fluência e o pensamento relativista mais sofisticado pelo estímulo a se pensar em duas línguas. O repertório cultural dos alunos se amplia, proporcionando uma melhor visão de mundo, o respeito à diversidade e à sua identidade cultural. O estímulo variado a sinapses cerebrais contribui fortemente com o desenvolvimento dos estudantes e com a flexibilidade no modo de pensar, acelerando o desenvolvimento cognitivo.

 

PARCERIA FIELDWORK EDUCATION

fieldworkeducation_web

Na Educação Infantil e no Ensino Fundamental (1º ao 5º ano), o Programa Bilíngue do Villa conta com a parceria da Fieldwork Education, uma renomada instituição britânica, presente em mais de 90 países. O prestígio internacional dos programas oferecidos pela Fieldwork Education é tanto que o Conselho Europeu para Escolas Internacionais (ECIS) escolheu oficialmente um de seus programas, o IPC (International Primary Curriculum), como principal opção de currículo para as novas escolas internacionais da Europa.

Na Educação Infantil, adotamos o programa IEYC (International Early Years Curriculum), da Fieldwork Education – um programa fundamentado em pesquisas modernas, que reconhece as melhores práticas internacionais e as necessidades para o desenvolvimento de crianças de 2 a 5 anos. O IEYC tem oito princípios de aprendizagem, cada um transmitindo uma crença considerada essencial para o aprendizado e desenvolvimento das crianças. Os princípios de aprendizagem devem constituir a base de toda a política e prática do IEYC.

No Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano), adotamos o IPC (International Primary Curriculum). O IPC é hoje uma das escolhas curriculares de mais rápido crescimento no mundo e está presente em mais de 1.800 escolas, segundo dados de 2014. É composto por mais de 130 unidades de trabalho temáticas, interessantes e envolventes, que são concebidas em torno de um processo claro de aprendizagem e com objetivos de aprendizagem específicos para o aprendizado pessoal e internacional. O IPC fornece apoio imediato a professores e alunos através de sua estrutura abrangente e rigorosa, embora seja flexível o suficiente para cada escola se adaptar ao seu planejamento e valores.

DIFERENCIAIS DO PROGRAMA BILÍNGUE DO VILLA

  • Extensão do Programa: o Villa é a única escola em Salvador cujo Programa Bilíngue se estende desde a Educação Infantil até o Ensino Médio.
  • Ampla carga horária:
    • Educação Infantil e Ensino Fundamental I: das aulas regentes, 50% são ministradas em língua inglesa, o que corresponde a 15 horas/aulas semanais;
    • Ensino Fundamental II (do 6º ao 8º ano): 34% das aulas são ministradas em língua inglesa, o que corresponde a 13 horas/aulas semanais.
  • Professores com formação diferenciada: o corpo docente do Programa Bilíngue é capacitado por especialistas treinados pela Fieldwork Education e pela University Missouri.
  • Currículo que prioriza o desenvolvimento integral do estudante.
  • Diploma High School: na conclusão do Ensino Médio, os alunos que se formam no Programa High School recebem o diploma norte-americano, equivalente ao do Ensino Médio brasileiro, emitido pela universidade internacionalmente conceituada e reconhecida pela legislação dos EUA.

1) O que é o bilinguismo?

Segundo alguns teóricos, o bilinguismo é qualquer sistema de educação escolar no qual, em dado momento e período, simultânea ou consecutivamente, a instrução é planejada e ministrada em duas línguas. Deve-se destacar, no entanto, que na educação bilíngue os idiomas não são somente objetos de estudo, mas meios de instrução para outras áreas do currículo escolar. A educação bilíngue deve habilitar o aluno a refletir nas duas línguas, bem como a transitar com muita desenvoltura entre a língua materna e a segunda língua.

2) Somente os alunos e as famílias que participam do Programa Bilíngue devem estudar sobre o bilinguismo?

Atualmente, o tema bilinguismo é um dos mais tratados nos ambientes educacionais do mundo todo. Isso porque, com o crescente processo de globalização, as fronteiras sociais e culturais estão se transformando. O termo “cidadão do mundo” passa a ser uma realidade cada vez mais presente na construção de uma nova sociedade global, multicultural e complexa. Nesse contexto, o bilinguismo é uma importante ferramenta de desenvolvimento do estudante, para que seja agente consciente e transformador dessa sociedade. Portanto, mesmo quem não participa de um Programa Bilíngue tem o direito (e também o dever) de conhecer os rumos pelos quais a educação tem conduzido seus passos.

3) Desde a infância, quais os benefícios que o bilinguismo oferece comparado a um curso regular de inglês?

Alunos que estudam em escolas bilíngues apresentam vantagens cognitivas. A formação bilíngue proporciona uma certa antecipação da consciência metalinguística, de modo que as crianças em sua formação se dão conta de que os objetos possuem palavras diferentes para representá-los e são capazes de diferenciar, naturalmente, qual língua falar com cada pessoa. Outro benefício é uma antecipação de pensamento cognitivo, como, por exemplo, em cálculos, que está associado ao raciocínio lógico, processo que é desenvolvido de modo mais acelerado nas crianças bilíngues. Vale ressaltar que o aluno bilíngue aprende também uma nova cultura e se mostra mais aberto às diferenças.

4) O que dizem os neurolinguistas sobre as vantagens do bilinguismo?

Um cérebro bilíngue desenvolve algumas vantagens distintas sobre seus pares monolíngues. Uma nova pesquisa sobre a neurobiologia do bilinguismo descobriu que ser fluente em dois idiomas, especialmente desde a infância, não só melhora a capacidade da pessoa de se concentrar, fazer conexões, mas também pode proteger contra o aparecimento de demência e outros declínios cognitivos relacionados à idade. Há uma maior flexibilidade cognitiva com a possibilidade de ativações de novos circuitos neurais e consequente criação de novas redes neurais. A pessoa passa a aprender a se comunicar de maneira diferente, usando uma outra língua, portanto, ela estrutura o pensamento, a escrita e a comunicação oral de uma nova forma.

5) Quais são os benefícios do bilinguismo?

Os benefícios são muitos. Seguem os principais:

  • O conhecimento de uma língua estrangeira contribui para o entendimento da própria língua, além de ampliar a visão de mundo e a compreensão de diferentes culturas.
  • Maior flexibilidade no modo de pensar, uma vez que o aluno é exposto a diferentes formas de processamento de informações.
  • Desenvolvimento de um processo de interação no uso dos idiomas, de modo que eles se transformem em ferramentas ativas para o reconhecimento e o aprendizado.
  • Acesso a diversas formas de construção do discurso, do desenvolvimento da oralidade e da fluência.
  • Contribuição para o estímulo variado das sinapses cerebrais, essencial ao desenvolvimento infantil.
  • Ainda que a criança não entenda palavras e músicas, a simples audição desenvolverá, em diversas regiões do cérebro, os canais neuronais apropriados à aquisição posterior da língua.
  • Pensamento relativista e mais sofisticado desenvolvido pelo estímulo a pensar nos dois idiomas — a lógica que se aplica a uma língua nem sempre diz respeito à outra.

6) Em que estágio da vida seria mais recomendada a entrada num Programa Bilíngue?

Pesquisas mostram que as conexões neurológicas feitas na infância são mais “estáveis” em relação a conexões feitas posteriormente. Mesmo se um aluno não usa a segunda língua durante um tempo, a estrutura já “gravada” no cérebro não desaparece. Ela pode ser acessada de forma mais rápida futuramente. Portanto, quanto mais cedo a criança for introduzida num Programa Bilíngue, maiores serão os benefícios.

7) Como se dá a alfabetização nas duas línguas? As crianças, ao final do 1º ano do Ensino Fundamental, estarão alfabetizadas nas duas línguas?

O processo de alfabetização consiste na aquisição de habilidades de codificação e decodificação de símbolos, apreensão de sons e compreensão de estruturas gramaticais e, além disso, na capacidade de interpretar, compreender e ressignificar. A criança aprenderá símbolos (letras) que não necessitam ser ensinados novamente na segunda língua (L2). Esse é um processo que acontece somente uma vez na vida do estudante. Se, ao ser alfabetizado, a criança já domina a fala e a escuta na L2, as habilidades que ela adquire na alfabetização serão aplicadas em ambas as línguas simultaneamente. No caso de estudantes que aprendem a L2 após já terem sido alfabetizados na língua materna (L1), ao passo que aprendem a ouvir e a falar na L2, eles também serão capazes de ler e escrever, pois suas habilidades adquiridas na alfabetização serão transferidas para a L2. Não é, necessariamente, a série que determina quando o aluno será capaz de ler e escrever na L2, e sim seu tempo de exposição a ela. Há de se considerar que alunos bilíngues estão expostos, por exemplo, a uma gama maior de informações e leituras, e que o uso de uma língua ocorre num contexto cultural. Obviamente, tal exposição e apropriação de formas culturais e linguísticas diferentes favorecem a possibilidade de transferência de aprendizagens em ambas as línguas.

8) Como meu filho aprenderá conteúdos de outras áreas do conhecimento se ele não tem fluência na segunda língua (L2)?

Assim como acontece na língua portuguesa (L1), o processo de aquisição da segunda língua (L2) começa com o desenvolvimento da compreensão oral. Somente depois é que o aluno começa a se expressar oralmente. Isso significa que sua fluência oral no idioma não é proporcional ao seu grau de compreensão. O aluno pode compreender, com tranquilidade, os assuntos apresentados na L2 sem ainda ser capaz de se expressar com fluência. Além disso, diversas estratégias são adotadas pelos professores, em sala, a fim de facilitar a compreensão por parte do aluno.

9) O Programa de Imersão significa utilizar a língua inglesa em todos os momentos? Quando é permitido o uso do português?

A proposta é que haja uma separação clara dos momentos da língua inglesa e da língua portuguesa. É importante que o professor da língua inglesa se expresse, quase em tempo integral, em inglês. Quando se tratar de situações de brigas ou situações emocionais em sala de aula, é recomendável que o professor faça uso da língua materna do aluno.

10) Quais são as principais características de um programa para ser considerado bilíngue?

Educação bilíngue corresponde àquela em que, em tese, duas línguas são usadas como meio de instrução e por meio da qual o aluno ganha uma percepção múltipla de valores linguísticos, sociais, cognitivos e culturais. Uma outra característica importante é que se promova, principalmente na fase de alfabetização da criança, uma exposição de cerca de 50% do tempo escolar na segunda língua. Também é característica importante que os professores da segunda língua a utilizem na maior parte do tempo.

11) Nossa família não fala inglês. Como posso ajudar meu filho que está no Programa Bilíngue a se desenvolver melhor na língua inglesa?

Os pais não precisam ser bilíngues, nem fluentes na língua inglesa para incentivarem seus filhos a se desenvolverem. O estímulo ao desenvolvimento da língua inglesa, por meio da escuta e da leitura, pode ser feito em casa. Existem contos com vocabulário adequado a cada idade. Além disso, os pais podem estimular os seus filhos a assistirem filmes na versão original, com suporte da legenda em português, por exemplo.

12) Quais são os elementos culturais da língua que serão trabalhados no Programa Bilíngue?

A língua e o processo de comunicação estão diretamente ligados à cultura. Quando se aprende uma língua no contexto bilíngue, aprende-se também a cultura de vários países de língua inglesa. A proposta vai muito além de lembrar pontualmente datas comemorativas, pois o objetivo de uma educação bilíngue não é somente desenvolver uma segunda língua, e sim ampliar a visão de mundo do estudante.

Elementos culturais da língua incluem sotaques, gírias, expressões, ditados, diferenciação da linguagem formal x informal, piadas, palavras com duplo sentido, saber se expressar em situações, como: datas comemorativas, comida, vocabulário regional, jogos infantis etc.

13) Quais são as atividades que, efetivamente, garantem a aquisição da cultura na língua inglesa?

Para que as atividades culturais sejam assimiladas pelos alunos e gerem impactos, elas precisam estar associadas aos conteúdos trabalhados em sala de aula. Somente a celebração de datas comemorativas não proporciona ao aluno o entendimento da cultura e suas nuances. O professor pode utilizar determinadas temáticas ou assuntos para trabalhar com as duas culturas, como, por exemplo, o hábito alimentar. Esse tema pode ser amplamente explorado com o objetivo de desenvolver entre os alunos o entendimento da cultura estrangeira, abordando outros aspectos, como o tipo de alimentação em ambas as culturas, os hábitos alimentares, comidas típicas das localidades, e não simplesmente apontar a rejeição de uma prática que parece absurda para o brasileiro.

14) Meu filho está no Programa Bilíngue do Villa, mas percebo que ele se expressa pouco em inglês, e quando fala, comete muitos erros. Por que isso acontece? Ele está aprendendo?

Uma boa maneira para compreendermos esse processo é comparando-o com a aquisição da primeira língua. Primeiro, a criança começa a compreender a fala de seus pais e demais pessoas de sua convivência. Depois, ela começa a se expressar com algumas palavras, ainda que pronunciadas erradamente. Daí, inicia-se o processo de construção de frases, ainda com bastante erros, até que a criança comece a se comunicar com mais exatidão. O mesmo ocorre no bilinguismo. Um agravante é que, no contexto em que convivem nossas crianças, a língua portuguesa é predominante. Isso torna esse processo mais lento, pois, no cotidiano, fora da sala de aula e em situações diversas da rotina, o aluno, naturalmente, faz o uso da língua com a qual se sente mais à vontade.

Sendo assim, erros gramaticais no início de um processo bilíngue são normais e não representam um problema. A partir do momento em que o aluno faz uso da língua inglesa e cada vez mais é exposto a ela, os erros gramaticais vão desaparecendo com o tempo. É importante considerar que a proposta de aprendizado numa escola bilíngue é diferente da proposta de aprendizado numa escola de idiomas, cujo foco está voltado, principalmente, para a apropriação da gramática. Num Programa Bilíngue, a proposta vai muito além: ensinando a pensar num outro idioma, a aquisição da língua, inclusive de seus componentes gramaticais, acontece naturalmente.

15) O meu filho conversa com certa fluência em inglês, porém apresenta dificuldades com a gramática. Como ele será avaliado e qual é o tempo necessário para o equilíbrio na fala, na escrita, na compreensão e na leitura?

Erros gramaticais, durante um processo bilíngue, são normais e não representam um problema. A partir do momento em que o aluno faz uso da língua inglesa e cada vez mais é exposto a ela, os erros gramaticais vão desaparecendo com o tempo. Para a aquisição de habilidades básicas de comunicação interpessoal (“Basic Interpersonal Communication Skills”), o aluno leva, em média, dois anos. Nesse período, ele adquire cerca de 3.000 palavras e começa a comunicar-se de forma básica. Para alcançar o nível intermediário de proficiência acadêmica (“Cognitive Academic Language Proficiency”), o aluno necessita de, em média, 6.000 palavras, o que acontece, normalmente, depois de cinco anos de exposição à língua estrangeira. Portanto, quanto maior o nível de exposição ao inglês, maior o desenvolvimento das habilidades de escrita, compreensão e leitura.

16) Quando uma criança entra numa turma, sem ter experiência na língua inglesa, não atrapalhará ou atrasará o grupo?

Um aluno que tem conhecimento da língua inglesa muito básico não poderia, por exemplo, ingressar numa turma bilíngue que já participa do programa por 4 anos. No entanto, nesse estágio de implantação que nos encontramos, onde os alunos mais veteranos estão no Programa Bilíngue há pouco mais de 1 ano, somente, ainda temos estratégias eficientes que estão sendo adotadas para lidar com essa situação sem danos aos alunos. O Villa oferece aulas de suporte opcionais (SEC—Support English Classes), ao longo do ano letivo, para os alunos com dificuldades e também trabalha com técnicas adotadas pelo professor em sala de aula que permitem a realização do trabalho em turmas heterogêneas.

17) Como funciona o Programa High School do Villa?

O Programa High School consiste num intercâmbio sem sair do país. Por meio dele, o aluno tem a oportunidade de estudar o Currículo Oficial do Ensino Médio americano, em parceria com a University of Missouri, e receber dupla titulação ao final do 3º ano do Ensino Médio. Para ter condições de estudar as disciplinas que compõem o Programa High School (Economia, Saúde, História Americana, Literatura etc.) em inglês, os alunos precisam ser aprovados numa prova seleção preparada nos Estados Unidos e aplicada no Villa. O Programa Bilíngue do Villa até o 8° ano não somente prepara os alunos para que alcancem o nível de inglês necessário para ingressar no Programa High School, como também desenvolve estratégias de raciocínio e técnicas de leitura e escrita que serão muito úteis ao longo do Programa. Veja mais em nosso site: Segmentos >> Programa American High School.

18) Para meu filho, qual é a importância de ter uma certificação que pertence ao Programa Bilíngue?

Apesar de certificações internacionais, como Cambridge Exams, serem uma forma boa de medição do nível linguístico do aluno, esses testes só avaliam a parte de comunicação em inglês, mas não têm relação com a linguagem acadêmica e as habilidades relacionadas aos aspectos interpessoais e culturais, promovidos por uma educação bilíngue. O Villa já realiza um exame de caráter internacional ao final do 8º ano, quando o aluno se candidata ao Programa High School em parceria com a University of Missouri, mas sabemos que exames assim só avaliam um aspecto do desenvolvimento dos nossos alunos. Por isso, os exames internos, desenhados de acordo com a proposta do nosso programa, também são instrumentos úteis na análise do desenvolvimento dos alunos.

19) Se meu filho participa do Programa Bilíngue, ainda assim é preciso enviá-lo para um programa de intercâmbio?

São duas questões diferentes e a inserção do aluno no Programa Bilíngue não impede que a família opte em estimulá-lo a participar também de um programa de intercâmbio. Inserido no Programa Bilíngue, a proposta é que a formação do aluno se dê por meio de conteúdos específicos a partir da língua inglesa, diante de uma carga horária significativa, por meio da qual ele se apropria da língua e de aspectos da cultura. Um programa de intercâmbio poderá agregar outras experiências para a vida pessoal e profissional do aluno e este terá a oportunidade de ter o contato direto com pessoas e elementos de outra cultura, tornando-se mais maduro e independente. É uma forma de aperfeiçoar a língua estrangeira por meio da convivência em um outro país. No caso dos estudantes que fazem o Programa Bilíngue High School, o Villa não recomenda que estes participem de intercâmbios durante os três anos de duração do Programa. Isso porque, na maioria dos casos, os alunos não conseguem cursar, durante o intercâmbio, as disciplinas equivalentes àquelas que compõem a matriz curricular definida pela University of Missouri, o que pode comprometer a conclusão do Programa.

20) Qual é o sistema de avaliação do Programa Bilíngue do Villa?

O sistema de avaliação desse Programa segue a mesma formatação do ensino regular: avaliações parciais e finais por trimestre. Sendo assim, o conteúdo é avaliado através dos instrumentos já conhecidos, como prova, produções escritas, apresentações, seminários etc. É importante ressaltar que os exames que compõem o sistema de avaliação do Programa Bilíngue avaliam o conhecimento dos conteúdos trabalhados na língua, e não da língua em si. Afinal, no Villa, os alunos desenvolvem conteúdos por meio da língua inglesa, e não o contrário. No entanto, em paralelo a isso, a fim de acompanhar o desenvolvimento dos alunos na segunda língua, existem atividades, em sala de aula, planejadas e sistematizadas com esse objetivo, bem como entregas específicas às famílias, que permitem analisar se os alunos estão atingindo os objetivos linguísticos ao longo do processo.

topo

Parceiros Villa


Av. Luis Viana, 7731 - Paralela
Salvador – Bahia
41745-130

Venha para o Villa.
Matutino, Vespertino e Programa Bilíngue.
Atendimento: Segunda a sexta, das 07h às 19h.

Para acessar o e-mail corporativo, clique aqui.
Copyright © 2015 - Villa - Campus de Educação.
Todos os direitos reservados.

Para acessar o e-mail corporativo, clique aqui.
Copyright © 2015 - Villa - Campus de Educação.
Todos os direitos reservados.